quinta-feira, 28 de abril de 2011

RESENHA: Crescendo

Hoje tem novidade na Fábrica!!! Agora temos uma nova integrante na equipe... a Monique Melo. Ela mora láááá em Recife e como nós é viciada em ler e vai nos ajudar com as resenhas! Dêem boas vindas pra ela então!! yeahhh!!


Crescendo
Monique Melo

Anjo. Levantei os olhos quando Patch disse meu apelido em meus pensamentos. Estar perto de você, da forma que for, é melhor que nada. Não vou perdê-la. Ele fez uma pausa e, pela primeira vez desde que o conheci, vi uma sombra de preocupação em seus olhos. Mas já caí uma vez. Se eu der aos arcanjos motivos para imaginarem que estou remotamente apaixonado por você, eles vão me mandar direto para o inferno. Para sempre.

Para quem amou Sussurro, Crescendo vai pôr mais lenha na fogueira e vai ter mistério pra dar e vender! Depois dos acontecimentos narrados no primeiro livro, Nora finalmente tem alguns momentos de felicidade ao lado do seu anjo da guarda que continua lindo e sexy, por sinal, mas também cheio de segredos.

Ela também reencontra um amigo de infância, Scott Parnell, que passa a ocupar cada vez mais espaço na sua vida quando ela e Patch se afastam por conta de situações que ela não compreende e ele se nega a explicar. Tudo fica pior quando Patch aproxima-se de Marcie Millar, eterna inimiga de Nora e a deixa cada vez mais insegura.

Só que Scott também esconde fatos da sua vida que podem ter mais a ver com a Nora do que ela pensa. Dividida entre se afastar dele e tentar descobrir informações importantes, ela se arrisca em planos que nem sempre dão certo e arrasta a Vee, sua melhor amiga, com ela.

Em meio as suas descobertas, Nora vai entender que existe muito mais na implicância que Marcie Millar tem por ela do que a velha rixa entre a garota rica e popular e a menina certinha que tira boas notas. E isso pode não ser exatamente uma coisa boa.

A Becca continua com a boa narrativa que apresentou em seu livro de estréia, Sussurro. Crescendo já começa com um flash back de tirar o fôlego e, no momento em que lemos, imaginamos na hora quem pode ter cometido tal crime e por qual motivo e essas perguntas serão importantíssimas para o desenvolvimento do livro e para entender melhor a família da Nora.

Os personagens não sofrem nenhum tipo de descaracterização e, como sugere o título, evoluem com as situações pelas quais passam. A Nora, neste sentido, foi a que mais demorou a crescer. Ficou super chata por conta da sua insegurança, mas tenho que admitir que boa parte da culpa é do Patch que espera que ela entenda tudo que ele faz sem receber uma explicação sequer! Qualquer garota ficaria insegura e faria bobagem (ela exagera, é verdade). Mesmo com as bobagens que ela faz, ainda é uma protagonista que não fica parada chorando.

A Vee me surpreendeu e passou de “personagem que quero matar” para “aparece mais, por favor”. Mostrou-se uma grande amiga para a Nora e proporcionou alguns momentos divertidos, que quebraram a tensão.

O livro é misterioso e deixa você com vontade de gritar de curiosidade, em especial no final, quando tudo está encaminhado para um final romântico e acontece um evento inesperado onde é impossível não pensar “tinha que parar justamente agora?” Então, se você gosta de aventuras sobrenaturais e uma boa porção de emoção, Crescendo vai conquistar você e te deixar ansioso para Silence.


Pra saber mais

Resenha de Surrurro: AQUI
Site da série no Brasil: AQUI
Twitter da autora: @becfitzpatrick

terça-feira, 26 de abril de 2011

RESENHA: Tequila Vermelha

Nina Duoli

Pra começar a resenha, esqueçam o Rick Riordan de Percy Jackson... pronto??? Vamos lá então!!

Em Tequila Vermelha Rick mostra seu outro lado. A começar porque é um livro para adultos ou jovens um pouco mais velhos. Para quem gosta de livros de investigação com mortes e muito e suspense, Tequila Vermelha é uma ótima pedida!

A primeira coisa que todo mundo se pergunta é se a história se passa no México. Não, ela se passa em uma cidade no Texas onde existe uma grande população de mexicanos e a cultura mexicana é muito presente.

O livro conta a história de Trés Navarre (nome FANTÁSTICO!), um detetive particular, que volta à sua cidade natal depois e 10 anos para tentar descobrir quem foram os assassinos do seu pai, um policial muito influente na cidade. Na verdade ele é chamado por Lilian, sua antiga namorada e depois que ela desaparece repentinamente, Trés se aprofunda mais nas investigações e acaba se envolvendo em um esquema muito mais complexo do que imaginava.

Tudo gira em torno de Trés, da máfia, Lilian e moradores e políticos influentes na cidade. Trés descobre que mesmo depois de 10 anos, o esquema que fez com que seu pai fosse assassinado ainda existe em uma complicação de venda de empresas e licitações públicas fraudulentas.

No começo achei o livro muuuuito estranho, meio desconexo, até porque estava acostumada com o Rick de Percy Jackson e Pirâmide Vermelha, mas quando comecei a entrar na história, percebi que era muito promissora e interessante. Custei a me identificar com Trés e no final já estava encantada por ele.

Aliás, Trés é um pesonagem muito interessante, é um cara que pratica horas de Tai Chi e mesmo assim está sempre sob tensão. É folgado toda vida, cheio de tiradas em quem quer que seja e não tem medo de nada...peita todos os figurões, entra em lugares esquisitos, conversa com o chefe da máfia como se ele fosse um mendigo. Muitas vezes chega a ser divertido e outras você fica tenso com medo de que ele leve um tiro.

A história é naquele estilo: acho que sei quem matou, não, não sei mais, ahhh agora eu sei... ops, não sei mais... e no final, acaba sendo quem você menos esperava junto com quem você achou que era no começo.

Vale muito a pena o livro, mas leia bem concentrado para não perder o fio da meada. Recomendadíssimo.



Leia mais sobre esse livro e outros lançamentos no site da Ed. Record!

domingo, 10 de abril de 2011

EVENTO: Lançamento de Chama Negra

Oi pessoal!!

Domingo que vem, dia 17/04 tem lançamento de Chama Negra, 3º livro da série Os Imortais.
Vai ser na Saraiva do Diamond Mall, as 16horas!!

Esperamos todos lá!!



terça-feira, 5 de abril de 2011

RESENHA: Morte e Vida de Charlie St. Cloud

Nina Duoli

Sempre que vejo um filme baseado em um livro antes de ler, fico naquela ansiedade, principalmente quando gosto do filme. Com Charlie St Cloud não foi diferente, e vou dizer...gostei do que vi e principalmente do que li.

O livro é lindo, intenso e se parece muito com os livros do Sparks (que semrpe fazem a gente chorar). O filme também é muto bom. Não é exatamente igual ao livro, mas souberam usar bem a história na adaptação.

Morte e vida de Charlie St. Cloud, de Ben Sherwood (Ed. Novo Conceito), conta a história de 2 irmãos muito ligados. Sam, o irmão mais novo de Charlie é aficcionado por Basebal e é quando Charlie resolve fazer uma surpresa para o irmão, levando-o a um jogo importante da temporada de basebal, que a história começa. Os dois sofrem um trágico acidente e Charlie tem uma segunda chance, mas promete à Sam que nunca vai dexá-lo sozinho. A partir desse dia e durante 13 anos, charlie jogou basebal com seu irmão, morto, todos os dias ao entardecer.

Até que Charlie conhece Tess, uma velejadora e começa a pensar se ele não está jogando fora a segunda chance que lhe foi dada, preso no cemitério e onde trabalha e confortando os que já se foram. É nessa parte também que você começa a pensar... mas pera aí, acho que tem algo meio estranho nessa história toda....

Do livro para o filme, algumas coisas foram mudadas, por exemplo a forma como Charlie conhece Tess e a diferença de idade dos irmãos, mas nada que incomode muito. Acheio clima do filme, muito parecido com o do livro e a escolha de Zac Efron para interpretar Charlie naõ podia ser melhor.

O livro no geral é bem triste...a vida de Charlie é bem triste e até mesmo vazia. Ela se limita em espantar os ganços no cemitério, ajudar alguns mortos que ainda não fizeram a passagem, jogar basebal com o irmão e muito às vezes tomar uma cerveja. Mas tudo isso é tratado com muita doçura, o que acaba deixando o livro bem leve e gostoso de ler.

A morte é mostrada de forma bem natural pelo autor que não se baseia em nenhuma religião para explicar a vida após a morte. A história é muito mais tratada como uma ficção, ou como se isso fosse a coisa mais natural do mundo e vivida no dia a dia (isso para nós leitores, não para os personagens, com exceção de Charlie). No fundo, enquanto estamos lendo, mesmo não acreditando, acabamos pensando que isso é mesmo possível.


Para saber mais:

Site oficial do livro: www.charliestcloud.com.br
Site oficial do filme:
www.charliestcloud.com
Ed. Novo Conceito:
www.editoranovoconceito.com.br/