sábado, 8 de agosto de 2020

Assistimos na Fábrica: Julho 2020

Olá! Mais despedidas dessa vez! E estou com sorte nos doramas que ando assistindo. Vamos lá?

My unfamiliar family (drama coreano 2020): Nem sei por onde começar a falar deste drama! Imagino que todos saibamos que falta de comunicação e entendimento sempre será problema seja em qual for o aspecto da vida. Essa família percebe que não expor sentimentos e pensamentos pode criar desavenças e rancores dificilmente superáveis, e foi doloroso, interessante, engraçado e enriquecedor acompanhar essas descobertas. Foi sofrido ver o crescimento dos relacionamentos familiares e os de amizade, houve decepção e alegria, teve os momentos de crítica sobre a sociedade, e também sobrou tempo para torcer por casais e ficar boba com cenas românticas. Amei do início ao fim.

terça-feira, 4 de agosto de 2020

SORTEIO: Minha sombria Vanessa + resultado Julho


Olá! 

Como vocês estão? O livro sorteado desse mês será "Minha sombria Vanessa", da autora Kate Elizabeth Russell! A resenha vocês encontram aqui. Para participar é só seguir as regras e o formulário abaixo:

segunda-feira, 3 de agosto de 2020

RESENHA: Minha sombria Vanessa

Elogiado por Gillian Flynn e considerado um dos grandes livros de 2020, o romance de estreia de Russell explora as dinâmicas psicológicas de um relacionamento entre uma adolescente e seu professor.
Em 2000, Vanessa Wye é uma estudante solitária de ensino médio. Talentosa e com o sonho de ser escritora, Vanessa diz não se importar de ficar sozinha, principalmente quando seu professor de inglês, Jacob Strane, um homem de 42 anos, começa a prestar atenção nela, elogiando seu cabelo, suas roupas e lhe emprestando alguns de seus livros favoritos ― como Lolita, de Nabokov. Antes que Vanessa perceba, os dois embarcam em uma relação e a jovem acredita que o professor a ama e a considera especial.
Mais de uma década depois, uma ex-aluna acusa Strane de abuso sexual, e Vanessa começa a questionar se o que viveu foi realmente uma história de amor ou se não teria sido ela também uma vítima de estupro. Mesmo depois de tantos anos, Strane ainda é uma presença constante em sua vida. Como ela seria capaz de rejeitar o que considera seu primeiro amor?
Alternando entre presente e passado, o livro justapõe memória e trauma ao entusiasmo de uma adolescente descobrindo o poder do próprio corpo. Instigante e impossível de largar, o livro retrata com maestria a adolescência conturbada e suas consequências, para refletir acerca de liberdade, consentimento e abuso. Escrito com intimidade e intensidade assustadoras, Minha Sombria Vanessa capta brilhantemente os costumes culturais em transformação que guiam nossos relacionamentos e a própria sociedade.

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Lemos na Fábrica: Junho 2020

Olá! Outro mês onde as leituras renderam, mas que estou em dívida com os quadrinhos e mangás. De qualquer forma, Junho foi um mês de leituras interessantes e bem diferentes.


"Território Lovecraft", Matt Ruff: Misturando o fantástico ao terror do racismo, o autor nos conta a trama que envolve toda a família de Atticus contra uma sociedade secreta. A premissa foi decisiva na hora de escolher a leitura e os personagens são o atrativo para continuar lendo cada página, curiosa sobre o destino de cada um ao mesmo tempo que tinha medo de encarar uma tragédia. A obra tem muitas referências e consegue nos fazer refletir sobre como as pessoas pretas são tratadas até hoje. Resenha aqui.

sexta-feira, 17 de julho de 2020

RESENHA: A poeta X

Best-seller do New York Times sobre uma adolescente que conta sua história através de uma poesia intensa, crua e poderosa. Xiomara Batista se sente sem voz e incapaz de se esconder no Harlem. Desde que seu corpo ganhou curvas, ela aprendeu a deixar os punhos e toda sua raiva falarem. E, em contraste com as regras da mãe religiosa, Xio tenta expressar suas próprias crenças através da poesia: a garota derrama toda frustração e paixão nas páginas de um caderno, recitando as palavras para si mesma como orações.
Em seu romance de estreia, Elizabeth Acevedo aborda dúvidas e experiências frenquentes da adolescência – religião, relacionamento e autoaceitação –, apresentando essas questões por meio das lentes da herança afro-latina de Xiomara.
Acevedo elevou o romance escrito em verso a uma ferramenta poderosa, fornecendo aos leitores uma narrativa incrivelmente viciante e deliciosamente rítmica, implorando para ser lido em voz alta. A autora traz um ponto de vista único para aqueles que convivem com todo tipo de preconceito e procuram por si mesmos na literatura e na vida.

domingo, 12 de julho de 2020

RESENHA: O sol também é uma estrela

Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.
Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.
O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?

Sempre tive muita vontade de ler algo da Nicola Yoon e me interessei principalmente por "O sol também é uma estrela" porque achei a sinopse intrigante e cheia de possibilidades, e ter protagonistas não brancos foi um fator determinante. Comecei a ler animada e me encantei com o enredo.

quarta-feira, 8 de julho de 2020

RESENHA: Coraline

Certas portas não devem ser abertas. E Coraline descobre isso pouco tempo depois de chegar com os pais à sua nova casa, um apartamento em um casarão antigo ocupado por vizinhos excêntricos e envolto por uma névoa insistente, um mundo de estranhezas e magia, o tipo de universo que apenas Neil Gaiman pode criar.
Ao abrir uma porta misteriosa na sala de casa, a menina se depara com um lugar macabro e fascinante. Ali, naquele outro mundo, seus outros pais são criaturas muito pálidas, com botões negros no lugar dos olhos, sempre dispostos a lhe dar atenção, fazer suas comidas preferidas e mostrar os brinquedos mais divertidos. Coraline enfim se sente... em casa. Mas essa sensação logo desaparece, quando ela descobre que o lugar guarda mistérios e perigos, e a menina se dá conta de que voltar para sua verdadeira casa vai ser muito mais difícil ― e assustador ― do que imaginava.

Neil Gaiman é um dos meus autores preferidos e, por incrível que pareça, eu nunca tinha lido Coraline. O máximo que fiz foi ver o filme, mas nem me lembrava muito o que acontecia. Quando vi que a Intrínseca publicaria uma nova versão do livro, vi minha chance de ler.

domingo, 5 de julho de 2020

SORTEIO: Uma dama fora dos padrões + resultado Junho


Olá! 
Voltamos com mais um sorteio! Esse mês o livro será "Uma dama fora dos padrões", da rainha Julia Quinn! A resenha vocês encontram aqui. Para participar é só seguir as regras e o formulário abaixo:

sábado, 4 de julho de 2020

Assistimos na Fábrica: Junho 2020

Olá! Dei adeus a alguns dramas e programas que estava gostando, rolou um pouco de decepção, mas também iniciei novas histórias!


When my love is blooms (drama coreano 2020): Com atuações maravilhosas, em especial do Jiyoung, esse drama aqueceu meu coração, mesmo nos momentos mais tristes. Gostaria que a Ji Soo sofresse menos, mas ela inspirava as pessoas a serem melhores, até mesmo que a ensinou a ser assim, Jae Hyun. Queria mais do casal protagonista, porém entendi que eles já tinham demonstrações demais pelas circunstâncias do Jae Hyun. De qualquer forma, foi um final bonito para uma trama melancólica e de reencontro.

domingo, 28 de junho de 2020

Lemos na Fábrica: Maio 2020

Feliz que estou lendo mais, embora sem meu ritmo normal. Estou descobrindo muitos autores nacionais e recorrendo aos conhecidos para enfrentar essa loucura dos últimos meses. Vamos lá?


"Goma de mascar", Helena Luz: Goma de mascar foi uma surpresa muito bem vinda. Estava precisando de leitura leve e nada melhor que um livro nacional para despertar a sensação de familiaridade. Os personagens são cativantes, a narrativa gostosa, nunca esquecendo de assuntos necessários como racismo e abuso. Resenha aqui.