sexta-feira, 26 de agosto de 2011

RESENHA: Fazendo Meu Filme 1 – A Estreia de Fani

Monique Melo 


Insegura e tímida, Fani é fascinada por cinema e tem uma coleção de DVDs que ela não empresta a ninguém. Costuma assistir os filmes e classificá-los por estrelinhas e analisar cada um não é simplesmente um hobby para ela: Fani sonha em cursar a Faculdade de Cinema, contrariando o desejo da mãe que adoraria vê-la formada em Direito.
Tem grandes amigas, como a Gabi, Natalia e Priscila e um melhor amigo muito fofo, o Léo (ai ai ai, o Léo...) que sempre estão por perto e dão aquela força quando a personalidade insegura e romântica da Fani entra em ação. Gabi sempre tem bons conselhos e a apóia quando Fani tem pela frente mais uma empreitada idealizada pela mãe: vê-la participando de um intercâmbio.
É a partir deste intercâmbio que tudo começa a mudar: o Léo se comporta de forma estranha e a paixonite da Fani pelo lindo professor de Biologia tem seus avanços. Conforme o dia de partir vai se aproximando e as mudanças vão acontecendo, Fani encara muita das suas inseguranças e finalmente se dá conta dos seus sentimentos. Mas será que ainda dá tempo de mudar o final do filme?

Minha história com a série Fazendo Meu Filme começou depois que li resenhas de vários blogs literários que elogiaram demais a série. Decidi ir com calma, já que muita expectativa geralmente vem acompanhada de decepção. Mesmo munida desse pensamento, me vi comprando os três livros da série de uma só vez (o preço estava muito bom) e alguns meses atrás, quando participar de um blog literário nem me passava na cabeça, iniciei a leitura.
Quando comecei a ler Fazendo Meu Filme – A estréia de Fani não esperava que fosse me cativar dessa maneira. Achei, de forma errônea, que nada apresentado pela autora acrescentaria alguma coisa de diferente dos tantos romances adolescentes que encontramos nas livrarias. Mas me surpreendi com cada parágrafo.
Fani é uma garota comum, com sonhos comuns e é justamente por isso que me encantou. Como li numa resenha de um blog, o qual não me recordo o nome agora, as situações que ela passa um dia já passamos (no caso de quem já é adulto) ou iremos passar (se ainda for adolescente). Suas inseguranças e sonhos são muito próximos de nossa realidade então fica fácil imaginar, conforme a descrição da Paula Pimenta avança, as reações e sentimentos da Fani a cada momento de decisão.
O crescimento da protagonista durante todo o livro é muito bem desenvolvido e a importância da sua relação com os familiares, amigos e com seus próprios anseios e medos são descritos de forma clara e envolvente. A personalidade dos personagens e suas atitudes também são tão próximas do nosso cotidiano que é impossível não compará-los com pessoas com as quais nós convivemos (fiz muito isso durante a leitura). A aposta da Paula Pimenta no enredo simples e cheio de situações corriqueiras é mais que bem sucedida.
Adorei a inclusão dos emails, bilhetinhos e listas nos capítulos. Além de ficar muito dinâmico, cria uma proximidade maior com o leitor porque, novamente, é o tipo de coisa que todos fizemos (troquei tanto bilhete no ensino técnico e na faculdade!). O que dizer então de um livro onde cada capítulo nos brinda com diálogos de filme? Imagina como foi bom ver trechos de “Curtindo a vida adoidado”, “Dirty Dancing” e os “Goonies”, alguns de meus filmes preferidos e que me lembram tão bem a adolescência?
Tão emocionante o final! Muito fofo e totalmente fiel ao desenvolvimento do enredo. Deixou aquele gostinho de quero mais e me fez sair correndo para ler Fazendo Meu Filme 2 – Fani na Terra da Rainha e virar fã dessa ótima escritora brasileira. Paula Pimenta, cinco estrelinhas para você!
Sobre o livro:
Fazendo Meu Filme 1 – A estréia de Fani
Série: Fazendo Meu Filme
Volume: 01
Autora: Paula Pimenta
Ano: 2009
Editora: Autêntica/Gutenberg
Páginas: 336
Hotsite: AQUI
Site da autora: AQUI
Twitter da Autora: @paulapim

terça-feira, 23 de agosto de 2011

RESENHA: Assassin's Creed - Renascença

Nina Duoli


Posso dizer que me surpreendi muito lendo Assassin’s Creed.  Apesar de que eu já adorava a história, que é baseada em um game com o mesmo nome, estava um pouco apreensiva, pois nunca tinha visto antes um livro baseado em um game.

O livro é incrível. Tem muitos detalhes ajudam o leitor a visualizar a história e quem conhece o game se sente dentro dele. A parte histórica é muito bem detalhada, porém de uma maneira bem fácil de entender, sem palavras muito complicadas. Como o livro tem ação do começo ao fim, não tem como ficar entediado lendo.

Eu não sei muito a história do jogo, mas a história contada no livro é a do segundo jogo, quando Desmond entra nas memórias de Ézio para encontrar “Os Pedaços do Éden” que estão faltando.

Assassin’s Creed conta a história de Ezio. Ele é um adolescente, filho de um banqueiro muito influente de Florença (na Itália). Quando seu pai e irmãos são assassinados ele, sua mãe e irmã fogem escondidos para a moradia de um tio em uma cidade distante de Florença. E é aí que ele começa a entender melhor a situação política que a Itália está passando e começa a descobrir também sua verdadeira origem e seu destino.

Com o treinamento que recebe em Florença e com seu tio, Ezio resolve vingar a morte de seu pai matando todas as pessoas que estão envolvidas em um grande sistema de corrupção na Itália e descobrindo os “Pedaços do Éden” que são vários artefatos que estão escondidos em um código que está espalhado com os templários.

Os personagens do livro são fantásticos. Além de Ezio, que é super cativante, outros famosos personagens como os Médici, Maquiavel, uma freira que coordena um bordel, templários, assassinos e até mesmo um interessantíssimo e amalucado Leonardo da Vinci nos ajudam a viajar pelas ruas, cultura e costumes da Itália em 1476 (sim... a história é antiga MESMO).

Para podermos curtir um pouquinho mais da Italia, o autor mesclou algumas palavras e expressões em Italiano. Mas não se preocupe, no final além de um guia completo de personagens (porque são muitos) tem um glossário com todas as palavras em italiano.


Sobre o livro:
Título: Assassin's Creed - Renascença
Autor: Oliver Bowden
Ano: 2011
Páginas: 378
Editora: Galera Record

Sobre o jogo
Como já são 3 jogos e o 4º está por vir, você pode saber mais da história no site do jogo: AQUI
Video sobre a história do jogo/livro

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

RESENHA: Amor de Redenção

Fabiana Araújo

Eu nem tinha terminado de ler esse livro e já desejava relê-lo. Quando terminei a leitura me pequei pensando como poderia escrever uma resenha a altura da beleza dessa estória. Sabe aquele livro que te deixa sem chão? Amor de redenção é um livro assim... e mais!

Tentei organizar minhas emoções para colocá-las nessa resenha. Fato que eu não consigo fazer isso, tudo que posso afirmar é: o livro é ABSURDAMENTE LINDO! É a obra mais linda, tocante e emocionante que já tive oportunidade de ler. Acredite, eu podia ficar aqui e escrever 460 paginas de elogios para a autora, mas esse não é o propósito da resenha não é mesmo?

Essa é a primeira obra de Francine Rivers que li e com certeza não será a ultima. A autora realmente sabe o que faz. Entrou para minha lista de ‘DIVAS’ literárias logo no prólogo do livro. Ela aborda temas como perdão, fé, amor e esperança de uma maneira muito simples e tocante. O leitor se rende logo após ler o prólogo.

Amor de Redenção nos conta a estória de Sarah. Quando menina é renegada pelo pai antes mesmo de nascer e, após a morte da mãe é vendida para a prostituição aos oito anos. Para sobreviver a essa ‘vida’ ela se agarra ao ódio e não se permite sentir emoções. Ela aprendeu erroneamente quando ainda era uma criança o que julga ser a ‘grande verdade de Deus’: se envolva e será terrivelmente castigada.

Entre um pensamento negativo e outro, ‘Angel’ vai tentando sobreviver até conhecer Michael Hosea (aquele LINDO). Um fazendeiro simples, trabalhador e que busca o divino em todas as coisas.

Michael se apaixona por Angel na primeira vez em que coloca os olhos nela e tenta convencê-la de seu amor a cada parágrafo da obra. Depois de relutar muito Angel acaba permitindo que Michael se aproxime. Mas com a chegada desse amor Angel começa a se sentir indigna e sempre acaba fugindo. Ela tem medo de se entregar ao amor e sofrer por isso. Não se acha merecedora do amor de Hosea. Ela não acredita que seja digna de ‘redenção’.

Ok, posso abrir um parênteses? (Eu definitivamente preciso URGENTEMENTE de um Michael Hosea na minha vida! Aquele lindo que me vez suspirar pelos cantos a cada frase, atitude ou demonstração de amor)

“Meu Deus, eu a amo, mas será que esse sentimento vai ser sempre assim? Como uma dor dentro de mim, que nunca acaba?”

A narrativa é super dinâmica e rápida, com um vocabulário acessível e sem complicações. Tenho certeza que não terão dificuldades na leitura. (o que costuma ser raro em romances de época) A dificuldade real dessa obra é conseguir conciliar alimentação, banho, trabalho, respiração...rsrs. Quando nos transportamos para o mundo de Rivers temos de nos lembrar de respirar. Não perca tempo e venha se emocionar com Michael e Angel nessa narrativa tocante que vai mudar toda a sua definição de ‘amor’. Amor físico e amor divino. Até onde você iria por um sentimento tão profundo?

Amor de redenção já foi traduzido para dezessete idiomas e esta com uma adaptação para o cinema sendo produzido. Mal posso esperar por isso.


Obrigada por terem lido minha resenha ate o final. É a minha primeira então desculpem qualquer erro. Qualquer duvida podem postar nos comentários que respondo assim que possível ok? beijos


Sobre o livro


Titulo: Amor de redenção
Autora: Francine Rivers
Editora: Verus Editora
Numero de paginas: 468
ISBN:  978-85-7686-088-4

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

PROMOÇÃO: Diário de uma paixão

RESULTADO


Yey! Finalmente o resultado!! Fiz o sorteio pelo Random.org e quem ganhou foi a Dayanne Alves    (@isaaccount). Ela seguiu todos os passos direitinho!


Parabéns Dayanne! Entre em contato conosco pelo e-mail afabricada@gmail.com para combinarmos sobre a entrega do prêmio!


Bjos a todos e continuem participando das promoções!!


Imagens do Sorteio








Quer ganhar um exemplar do liiiiiindo "Diário de uma paixão"?

É facim facim!

1 - Siga o blog clicando ali no lado esquerdo
2 - Tweet a frase:  Participe da promoção "Diários de uma paixão" na @afabrica_da e concorra a um exemplar do livro. http://bit.ly/9T063k
3 - Preencha o formulário abaixo

O sorteio será feito pelo random.org na ordem de preenchimento do formulário dia 25 de agosto.

Boa Sorte!!
=)

sábado, 13 de agosto de 2011

RESENHA: Diário de uma Paixão

Nina Duoli

“Os românticos chamariam isto de uma história de amor, os cínicos diriam que é uma tragédia. Na minha cabeça é um pouquinho de ambas, e no fim das contas qualquer que seja a maneira como você escolha encarar este relato, nada altera o fato de que ele abrange uma grande parte da minha vida e do caminho que escolhi trilhar. Não tenho nenhuma queixa a fazer quanto ao meu percurso e aos lugares aonde ele me levou; talvez sobre outras coisas eu tenha reclamações, suficientes para encher uma tenda de circo, mas o caminho que escolhi tem sido sempre o certo, e tampouco gostaria que tivesse sido de outro jeito.”

Falar dos livros do Sparks acaba sendo redundante. Mais uma vez ele nos deixa com o coração na mão e uma história linda.
Diários de uma paixão foi o primeiro livro publicado de Sparks e, na minha opinião ele começou contando sua melhor história.

Diários de uma paixão (The Notebook) conta a história de Noah e Allie. Os dois se conheceram em um parque na cidade de Nova Berna, onde Allie, filha de pais ricos tinha ido passar suas férias de verão. Os dois logo se apaixonaram e tiveram um verão mágico, andando de canoa no rio, passeando pela cidade ou deitados debaixo de um grande carvalho onde Noah lia poesias para Ellie. Até que chega a hora de Allie ir embora e eles tem que se separar.

Depois de muitos anos, muito sofrimento e muitas cartas de Noah escondidas pela mãe de Allie, ela vê, nas vésperas de seu casamento com Lon, um famoso advogado, uma reportagem no jornal falando sobre a restauração de uma antiga casa de fazenda em Nova Berna feita por um certo Noah Calhoun. Allie resolve voltar até Nova Berna e aos sentimentos que viveu no passado.

Toda a história é contada por Noah (Dick) para sua esposa que tem o Mal de Alzheimer. Apesar de toda a história de Noah e Allie ser muito tocante, a história de Noah, já no asilo, é a mais emocionante e é onde podemos sentir toda a verdade e todo o amor entre Noah e Allie e como o amor pode mudar as pessoas e quem está em volta delas.

O livro é bem pequeno e muito fácil de ler. Pode parecer mais do mesmo de Sparks, mas cada livro dele desperta um sentimento diferente. Esse livro especialmente foi escrito em uma época em que o Mal de Alzheimer estava muito na mídia e é bem legal para quem não tem conhecimento sobre a doença, pois é um tema abordado de forma bem simples e interessante e por isso podemos perceber uma realidade maior na história.

O filme “Diários de uma paixão”, baseado no livro foi filmado em 2004. Não vou dizer que é igualzinho ao livro, mas a essência e os sentimentos que ele desperta são os mesmos. O filme é lindo e profundo e vale a pena, mas o livro tem detalhes da história que fazem falta no filme.

Para saber mais sobre o filme, leiam a resenha do Tullio Dias no Cinema de Buteco clicando na imagem abaixo. Ele é louco pelo filme e fez uma resenha bem legal que me fez não ter medo de me decepcionar com o filme depois de ter lido o livro!!





Sobre o livro:

Título: Diário de uma Paixão
Autores: Nicholas Sparks
Editora: NOVO CONCEITO 
Ano: 2010
Número de páginas: 256
Site oficial do livro: AQUI


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

RESENHA: Sendo Nikki (#2)

Por Monique Melo

AS COISAS NÃO ESTÃO BEM PARA EMERSON WATTS.

MAS NINGUÉM DISSE QUE ELA SE DARIA BEM SENDO NIKKI.


A continuação de Cabeça de Vento vem agitada e muito interessante. O que vemos no primeiro livro é o esforço de Em para se adaptar ao seu novo cotidiano. Em Sendo Nikki, Em Watts está um pouco mais acostumada a sua nova vida, mas mantém-se sempre alerta quando o assunto é a Stark.


Em é uma protagonista muito inteligente e esperta e logo entende que a Stark é um inimigo o qual todo cuidado é pouco. Sendo assim, ela tenta burlar a constante vigilância para poder interagir com sua família e fazer com que Christopher finalmente a perceba.


Entre falsos parentes e namorados que ela não tem certeza se teve, o irmão de Nikki, Steve volta para ter uma conversa muito importante com a irmã. Como se tudo que ela tem passado fosse pouco, seu grande amor está armando um perigoso plano para derrubar a Stark sem ter idéia do quanto está se expondo.


Eu já estava mega animada com o primeiro livro e Sendo Nikki não decepcionou. Diria até que surpreendeu. Sem a necessidade de tantas explicações, que é o comum do primeiro livro de uma série, ganhou mais ação e conseqüentemente deixou o livro muito mais movimentado.


O enredo é cheio de surpresas e várias situações de prender o fôlego, assim como cenas cheias de humor as quais me faziam sorrir como boba e gargalhar com as situações que a Em tem que passar.


Personagens secundários têm bastante participação e dão humor e leveza ao enredo. Lulu sempre é engraçada, mas também demonstra que é uma amiga para qualquer hora. Gabriel e Steve também são ótimos personagens e só somaram ao enredo.


E o romance? Ai, tão fofo. E triste também. Um pouco mais presente neste livro do que em Cabeça de Vento, mas nunca como o foco do livro embora Em passe boa parte do seu tempo pensando no seu amor.


E o final? Como a Meg pode fazer isso conosco? Fiquei em choque! Foi uma reviravolta e tanto, nunca imaginei que acabaria daquela forma! Claro que tem algumas pistas, mas mesmo que esperasse algumas das coisas que aconteceram, não fazia idéia que seria daquela forma. O último capítulo me deixou com o coração apertado e, claro, louca pelo terceiro livro da série.


Sobre o livro:

Sendo Nikki

Série: Cabeça de vento

Volume: 02

Autora: Meg Cabot

Ano: 2011

Editora: Galera Record

Páginas: 320

Primeiro capítulo: AQUI

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Resenha: A Guardiã da Minha Irmã

Por Flávia Marques

"Prepare-se para ficar acordado a noite toda lendo A guardiã da minha irmã, de Jodi Picoult [...], um fascinante estudo da natureza humana emoldurado por uma história complexa e emocionante. Narrado pela perspectiva alternada do envolvente grupos de personagens, o livro de Picoul agarra o leitor na primeira página e não solta mais. Este é um livro belo, comovente, polêmico e honesto." _Booklist

Essa opinião resume exatamente minhas impressões sobre o livro. Li em dois dias, chorei, me emocionei e fiquei encantada com o estilo narrativo que Jodi Picoult escolheu para contar uma linda história, a autora foi  realmente muito feliz. Você sente como se cada personagem estivesse com você contando o que passa em sua mente e coração. A gente se sente mesmo fazendo parte do livro, da vida dessas personagens. 

Ler um livro assim, faz com que sua mente fique aberta, te dá vontade de conhecer tudo que o pode de cada um dos integrantes da história, te faz querer dar opinião, ajudar, quase querer analisar a vida de cada um e mudar o rumo dos acontecimentos.

Enfim, o livro conta a história de uma família que sofre com a doença de Kate, diagnosticada aos dois anos de idade com um tipo raro e agressivo de leucemia. Jesse, seu irmão mais velho, não pode ser um doador compatível e o médico sugere a possibilidade de ter um outro filho geneticamente compatível. Nesse contexto nasce Anna, doando o sangue de seu cordão umbilical para que suas células troncos pudessem salvar a irmã. Durante algum tempo isso funcionou, mas Kate piorou ao longo dos anos e Anna tornou-se uma doadora constante de sua irmã. O problema é que ninguém nunca a consultou a respeito de todas as cirurgias, transfusões de sangue e internações pelas quais passou durante sua vida para ajudar a irmã.

Surpreendentemente, Anna procura um advogado, Campbell, para processar seus pais, buscando emancipação legal por motivos médicos, ou seja, ela terá o poder de decidir sobre quais procedimentos médicos irá passar e se vai ser ou não a doadora do rim que Kate tanto precisa para sobreviver.

Em meio a essa batalha judicial, como havia dito, as histórias de cada envolvido é contada detalhadamente. Kate e sua luta interminável contra o câncer; Jesse e suas atividades suspeitas; o pai Brian que prefere passar mais tempo trabalhando a voltar para casa; a mãe Sara que pensa apenas em salvar sua filha da doença e esquece do restante da família e o advogado Campbell, que tem uma complicada vida amorosa e um misterioso cão guia sempre com ele.

A Guardiã da Minha Irmã é um livro impressionante, que traz uma verdadeira lição de vida. Nós sabemos que essa tal de vida não é justa com ninguém e nem tudo acontece de acordo com o que planejamos. O final é completamente inesperado, portanto prepare o espírito e o coração. 

"É certo fazer o que for preciso para salvar a vida de um filho...mesmo que isso signifique desrespeitar os direitos de outro?"

Sobre o Livro:


Título: A Guardiã da Minha Irmã
Título Original: My Sister's Keeper
Autora: Jodi Picoult
Ano: 2011
ISBN: 9788576861294
Editora: Verus Editora
Páginas: 433

Sobre o Filme:

Pra quem ainda não sabe, o livro deu origem ao filme Uma Prova de Amor. Ainda não tive oportunidade ver, mas se a adaptação tiver sido ao menos razoável, vai valer a pena assistir e refletir um pouco mais sobre a vida e os problemas que ela é capaz de trazer, e também as boas surpresas que estão por vir.




quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Resenha: Na Natureza Selvagem

Nina Duoli

Incrível é a primeira palavra que me vem a cabeça sempre que escuto falar em Na Natureza Selvagem. Eu conheci o filme pouco depois de ter saído do cinema... baixei na internet, vi, enlouqueci, comprei e já vi 1000x. Mas nada é como ganhar o livro depois e conseguir entender ao menos um pouquinho toda a motivação que levou Chris McCandless ao Alasca... não para a morte, mas para descobrir o real sentido da vida, que graças a Jon Krakauer, ele conseguiu alcançar.

Dois anos ele caminha pela terra. Sem telefone, sem piscina, sem animal de estimação, sem cigarros. Liberdade definitiva. Um extremista. Um viajante estético cujo o lar é a estrada. Fugido de Atlanta, não retornarás, porque “o Oeste é o melhor”. E agora, depois de dois anos errantes chega à ultima e maior aventura. A batalha final para matar o ser falso e interior e concluir vitoriosamente a revolução espiritual. Dez dias e noites de trens de carga e pegando carona trazem-no ao grande branco Norte. Para não ser mais envenenado pela civilização, ele foge e caminha sozinho sobre a terra para perder-se na natureza.
Alexander Supertramp
Maio de 1922

Quando vi o filme Na Natureza Selvagem pela primeira vez, fiquei meio confusa com o que levou Chris a se desligar completamente da família, da irmã que ele tanto amava para se embrenhar numa aventura tão perigosa e com tão pouco preparo.  Não era possível que só o fato de ser de uma família rica e seu pai ter traído sua mãe fosse um fator tão decisivo e dolorido a ponto de leva-lo a querer “sumir”.

Lendo dá pra perceber que isso foi o fator que despertou ou que libertou o verdadeiro Chris... um jovem que não tinha nascido para a sociedade que se encontrava, que tinha valores diferentes e que queria experimentar a vida e o que ele considerava ser a verdadeira liberdade.

Foi assim que Chris escreveu sua história fazendo o que a maioria das pessoas criticam, mas não tem coragem de fazer: viver a vida do jeito que querem, livres de ter que dar satisfação ao mundo dos seus atos, se serem oprimidos pelos limites que a sociedade impõe. Chris foi o que ele queria ser, o que ele veio para ser sem se preocupar com o que o mundo ao redor fosse pensar dele.

Resumindo bem a história, Chris McCandless é um rapaz de família rica que, depois de se formar na universidade resolve assumir os problemas que tem com a família e sai andando pelo país rumo ao Alasca. Ele sai sem dar noticia para sua família e só tem contatos esporádicos com Karine, sua irmã mais nova.

Na sua jornada Chris conhece várias pessoas que vão fazer parte da sua história e com quem ele mantem contato durante a viagem, indo e voltando para reencontrar essas pessoas muitas vezes. Por causa da falta de preparo muitas vezes ele se vê em algumas enrascadas, como na vez em que se perde no Golfo do México, ou quando se depara com a  dificuldade em caçar e manter a caça quando já está no Alasca.

O legal é que para escrever a biografia Krakauer refez todo o caminho de McCandless e conversou com todas pessoas com quem o garoto se encontrou e com sua família, o que torna a história muito mais profunda e verdadeira.  A história vai e volta para que possamos entender todos os pontos em que Chris esteve, qual era o sentimento dele e desvendar os porquês de tudo.

Mesmo muitas pessoas falando que Chris era um maluco sem causa, Krakauer conseguiu mostrar por meio dos depoimentos apaixonados das pessoas que cruzaram com Chris que ele tinha um verdadeiro amor pela natureza e pela vida simples. Que para ele a natureza tinha muito mais valor do que dinheiro ou bens ou qualquer outra coisa e que mesmo sendo uma pessoa que tinha dificuldades com a sociedade, sabia ser sociável e foi muito querido por todos com quem cruzou.

Krakauer também conta a história de outros aventureiros que assim como Chris resolveram largar tudo para viver na natureza... inclusive a dele mesmo. São historias muito parecidas, até mesmo os motivos, que tiveram finais tristes como a de Chris ou felizes como a do próprio autor.

Vale muito a pena ler e ver o filme. Principalmente no filme você vai perceber e até dar razão a Chris sobre o porque de querer ir para o Alasca. Você vai se deparar com paisagens maravilhosas de perder o folego, que talvez não consiga captar somente lendo, mas a leitura é importante para entender melhor o que se passava na cabeça de Chris e a intensidade com que ele viveu toda sua aventura.

E se você pensa que só porque acabou cedo a vida de Chris não foi feliz e plena, você vai descobrir que para ele toda a grandeza na vida estava no que ele conseguiu realizar, que era seu sonho e seu objetivo.

“Eu queria movimento e não um curso calmo de existência. Queria excitação e perigo e a oportunidade de sacrificar-me por meu amor. Sentia em mim uma superabundância de energia que não encontrava escoadouro em nossa vida tranquila.”
Leon Tolstoi. “Felicidade Familiar. Trecho sublinhado em um dos livros encontrados com os restos de Chris McCandless.


Sobre o livro:

Título: Na Natureza Selvagem. A Dramática História de um Jovem Aventureiro.
Páginas: 214
Ano: 1998
Assunto: Biografias

Sobre o Filme:

A adaptação do livro para o filme é muito boa...boa mesmo. Então sugiro vocês a lerem o texto/ resenha do CINEMA DE BUTECO. É um texto lindo que exprime bem todos os sentimentos do filme! Lá também vocês podem ver a ficha técnica completa e o trailer. É só clicar na foto abaixo!




segunda-feira, 1 de agosto de 2011

RESENHA: Diários de Stefan: Origens

Guilherme Magalhães

Uma chance de entender melhor a história por trás do seriado. É isso que “Diários de Stefan: Origens” oferece. Uma narrativa em primeira pessoa, do próprio Stefan, ambientada em 1864, quando ele e seu irmão, Damon, ainda se davam bem e Elena estava longe de nascer.

Quando o livro começa, Stefan é um jovem de 17 anos (de verdade, ao invés de apenas na aparência). Ele se sente sozinho e isolado, já que o irmão mais velho está lutando no exército e seu pai está muito ocupado com a administração de suas terras. Novo demais para qualquer uma das atividades e preso entre a infância e a maturidade, Stefan não tem com quem conversar e nem o que fazer, nem mesmo quando ataques aos animais da região começam.

Sua solidão parece prestes a acabar quando seu pai lhe arranja um casamento com a filha do banqueiro da cidade, Rosalyn Cartwright, mas Stefan não está muito feliz com a idéia de se casar por conveniência.
É então que ele conhece Katherine Pierce, uma garota bela e pálida que aparece na “fazenda” do seu pai. Ela é a filha de conhecidos do pai de Stefan que morreram em um incêndio, e Giuseppe – o pai de Stefan – a recebe na fazenda, para que a garota more lá.

A [i]adorável[/i] Katherine acaba por despertar o interesse de Stefan, que deveria estar interessado apenas na jovem Rosalyn; se isso não fosse complicado o suficiente, seu irmão volta para a casa, de licença do exército, e também se interessa pela garota. E para piorar mais um pouco, ela demonstra interesse pelos dois. À partir daí, o livro mergulha nas seguintes questões: Quem vai ganhar o coração da senhorita Pierce? Stefan seguirá seu coração ou cumprirá suas obrigações? E quando aquilo que ataca os animais revela ter uma bela faze, será que o mal vai prevalecer? E... no fim das contas, quem é o mal da história?

Se você já viu a série, com certeza sabe a resposta para essas perguntas. O livro está aqui mais para nos dizer [i]como[/i] tudo aconteceu do que para dizer [i]o que[/i] aconteceu. Mas, se você não viu, o livro te explica mesmo assim. Ele nos explica a personalidade dos personagens, como tudo chegou a acontecer... é uma chance para entender melhor os personagens complexos da série de TV.

Para quem já leu a série de livros, é uma boa oportunidade de ver tudo de um modo completamente diferente, de uma forma mais movimentada e... não há outra palavra, bombástica.

Gostei muito do livro, achei muito bem escrito. Apesar de se basear unicamente no enredo criado para o seriado, a estrutura de escrita de L.J. foi incorporada à obra. Uma união dos pontos fortes de cada um... tinha tudo para dar certo, mesmo.

O livro é resultado de uma parceria entre L.J. Smith, Kevin Williamson e Julie Plec e é, sem dúvidas, leitura obrigatória para fãs de The Vampire Diaries, seja a série ou os livros, pois possui características de ambos e promete ser o tipo que vai agradar a todos.

Sobre o livro

Título: DIÁRIOS DE STEFAN - ORIGENS VOL.1
Autor: L. J. Smith
Editora: Galera Record
Ano: 2011
Páginas: 192