quinta-feira, 15 de maio de 2014

RESENHA: Vinte garotos no verão

Quando alguém que você ama morre, as pessoas perguntam como você está, mas não querem saber de verdade. Elas buscam a afirmação de que você está bem, de que você aprecia a preocupação delas, de que a vida continua. Em segredo, elas se perguntam quando a obrigação de perguntar terminará (depois de três meses, por sinal. Escrito ou não escrito, é esse o tempo que as pessoas levam para esquecer algo que você jamais esquecerá). As pessoas não querem saber que você jamais comerá bolo de aniversário de novo porque não quer apagar o sabor mágico de cobertura nos lábios beijados por ele. Que você acorda todos os dias se perguntando por que você está viva e ele não. Que na primeira tarde de suas férias de verdade você se senta diante do mar, o rosto quente sob o sol, desejando que ele lhe dê um sinal de que está tudo bem.

Li o livro rapidinho, afinal a autora tem uma linguagem acessível e ritmo de narração muito bom. Os personagens também são verossímeis e gostei demais da Anna e me chateei um bocado com a Frankie. A relação fraternal delas é um dos motes do livro e foi bem apresentado, mas eu não seria tão legal como a Anna foi e perdoaria certas atitudes da Frankie.

O que eu curti foram as indecisões da Anna. Eu imagino que seja bem confuso você estar apaixonada por uma pessoa e ela morrer. Se permitir apaixonar novamente deve trazer muitas dúvidas e a autora retratou isso bem. Questionamentos como "se eu gostar de tal pessoa, vou esquecer tudo que passei e que sinto tanta falta da outra?" eram constantes, mas de uma maneira significativa e que não se tornou cansativo.

Entretanto, acho que tinha muito assunto para desenvolver e que seria muito mais interessante para a estória. A falta de diálogo entre os pais da Frankie e ela, por exemplo, podia render  muito e estaria totalmente dentro do enredo. Neste sentido, acho que a autora não foi muito corajosa. Vários momentos eu tinha a nítida impressão que ela enfim colocaria os três para expor seus problemas, porém logo me decepcionava. 

Ok, eu sei que o livro trata de como a Anna se sente com a morte do Matt e como isso tem impacto na sua vida, só que a forma que Frankie se comporta também se reflete muito na Anna. Afinal, ela sempre fala que quer ajudar a melhor amiga e lembra muito como o Matt sempre a estava defendendo. Então, não seria mais coerente tratar disso?

O final mostra respostas para algumas questões e deixa outras em aberto (gostei disso) e fica a cargo do leitor imaginar se de alguma forma os personagens enfim encararam seus problemas. Não é um livro tão bom como eu achei que seria, mas ainda sim acho válida a leitura e foi agradável de ler.

Sobre o livro:
ISBN: 9788581633657
Autora: Sarah Ockler
Editora: Novo Conceito
Ano: 2014
Páginas: 288

6 comentários:

  1. Ola!!!
    Monique acredito que nós temos a mesma opinião. Também gostei muito da Anna e como te falei odiei a Framkie, que menina chata e sem noção!!!!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Mô, quando eu for ler esse livro não irei com tantas expectativas assim... Alguns pontos que você colocou na resenha me deixaram receosa...

    beijos,
    Mi
    http://inteiramentediva.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Seus comentários na resenha a respeito da personagem me comoveram e isso me deixou bastante curiosa. E já antipatizei de cara com a amiga dela,a Frankie. Que menina sem noção. Quero ler este livro logo. Adorei.

    ResponderExcluir
  4. A Frankie é uma chata u.u rsrs
    Mas o livro é legal =D

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkk Dany, implicamos com os mesmos pontos.

    ResponderExcluir
  6. Eu também ficaria receosa, mas como eu disse, é livro rápido, num instante termina.

    ResponderExcluir