terça-feira, 5 de agosto de 2014

RESENHA: Fale!

Fale sobre você... Queremos saber o que tem a dizer.” Desde o primeiro momento, quando começou a estudar no colégio Merryweather, Melinda sabia que isso não passava de uma mentira deslavada, uma típica farsa encenada para os calouros. Os poucos amigos que tinha, ela perdeu ou vai perder, acabou isolada e jogada para escanteio. O que não é de admirar, afinal, a garota ligou para a polícia, destruiu a tradicional festinha que os veteranos promovem para comemorar a chegada das férias e, de quebra, mandou vários colegas para a cadeia. E agora ninguém mais quer saber dela, nem ao menos lhe dirigem a palavra - insultos e deboches, sim - ou lhe dedicam alguns minutos de atenção, com duvidosas exceções. Com o passar dos dias, Melinda vai murchando como uma planta sem água e emudece. Está tão só e tão fragilizada que não tem mais forças para reagir. Finalmente encontra abrigo nas aulas de arte, e será por meio de seu projeto artístico que tentará retomar a vida e enfrentar seus demônios: o que, de fato, ocorreu naquela maldita festa?


No começo, eu estranhei um pouco a narrativa e a leitura foi um pouco lenta, mas conforme me acostumei, aproveitei bem como a autora conta a história de Melinda. O livro tem um tom sarcástico em determinados momentos dado pela protagonista já que é narrado em primeira pessoa, como se fosse um diário. É desta forma que a Laurie Halse nos transporta para o cotidiano solitário e cheio de dor de Melinda.

A autora trata de temas os quais, infelizmente, são comuns a alguns adolescentes e crianças e através de Melinda ela nos mostra que este dia a dia pode ser ainda mais cruel, principalmente quando os pais não dão a devida atenção a seus filhos. Suas antigas amigas também não procuram os motivos da Melinda e ela se vê cada vez mais solitária e de uma forma que ela até prefere aceitar o que acontece só para não ter que se impor.

O livro tem partes as quais a angústia é evidente e você fica pensando como a Melinda consegue aguentar tudo que passa sem falar nada. Ela tenta esconder sua dor o máximo que pode, embora consiga por um pouco dos seus sentimentos para fora nas aulas de arte. Impossível não torcer para que ela fale o que precisa e volte a ter uma vida mais próxima do normal. Nos momentos em que ela ultrapassa sua dor, eu ficava mais animada, imaginando que ela poderia sair do ostracismo em que se encontrava.

O professor de artes é quem percebe que ela tem muito a dizer, embora ela sempre se feche toda vez que alguém tenta saber mais dela, o que não ocorre muito. Foi um personagem que achei ótimo e, do seu próprio jeito, conseguiu entender a Melinda. Também gostei de um dos poucos colegas da garota que parece não ter medo de se aproximar e eu gostei da amizade que os dois foram desenvolvendo.

A capa do livro não podia fazer mais sentido, retrata bem o conteúdo e o trabalha gráfico da editora Valentina foi muito bom. Unindo esse aspecto ao fato inegável que o livro é sobre um trauma cada vez mais comum e a autora soube passar de forma maravilhosa os sentimentos da Melinda (e de uma maneira que as angústias dela eram as nossas), Fale! é um ótimo livro e creio que vocês deveriam ler o quanto antes. 

Sobre o livro:
ISBN: 9788565859073
Autora: Laurie Halse Anderson
Editora: Valentina
Ano: 2013
Páginas: 248


3 comentários:

  1. Achei a história legal. Pra mim não foi tão emocionante como esperava. Alguns momentos era um pouco chato e monótono. Mais depois de ler algumas páginas , realmente foi mais agradável de ler. E me surpreendi por ter gostado. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Ei Monique...

    Eu só li um livro da Lauren até hoje " Garotas de vidro" mas já consigo imaginar a angustia que esse outro deve ser o.O Essa autora sabe como nos transportar para a realidade do personagem como poucos. Dica anotadissima, adorei a resenha, super beijo <3

    ResponderExcluir
  3. taí, fiquei bem curiosa pra ler, não sabia do que tratava o livro, e esse assunto me interessa... se tiver chance, lerei :)

    http://torporniilista.blogspot.com.br/2014/08/resenha-do-mes-julho-os-homens-que-nao.html

    ResponderExcluir