terça-feira, 19 de maio de 2015

RESENHA: Por favor, cuide da mamãe



Por Favor, Cuide da Mamãe - Park So-nyo, 69 anos, mãe de cinco filhos, desapareceu. Ao chegar a Seul para visitá-los, saindo de sua aldeia com o marido, com quem é casada há mais de 50 anos, ela é deixada para trás em meio à multidão em uma plataforma da estação de metrô. Como fez a vida toda, ele simplesmente supôs que a esposa o seguia. Essa é a última vez em que Park é vista. Começa então a procura, liderada pelos filhos e o marido, que se transforma em uma exploração emocional repleta de remorso e marcada pela triste descoberta de uma mulher que ninguém nunca conheceu. Narrado pelas vozes de uma filha, de um filho, do marido e da própria mulher desaparecida, Por favor, cuide da Mamãe é, ao mesmo tempo, um retrato da Coreia do Sul contemporânea e uma história universal sobre família e amor.

É uma história sobre como as pessoas, mesmo sendo mãe, filhos e marido podem conviver anos com outra e não enxerga-la de verdade ou, ao menos, dar seu merecido valor. Esse tipo de atitude que vemos nos personagens de “Por favor, cuide da mamãe”. É necessário um acontecimento trágico para que eles comecem a perceber a presença forte e essencial da mãe Park So-nyo

A narrativa se divide em quatro perspectivas que vão nos apresentando não só o momento de angústia na procura da Mãe, mas também conta sobre suas atitudes e sua luta para dar uma vida melhor aos filhos. Também são essas perspectivas que nos mostram a culpa que os parentes sentem por não ter a tratado melhor e se preocupado o suficiente. Particularmente, algumas decisões da So-nyo também não me agradavam, mas devido a tudo que ela passou e a vida tão sofrida, achei aceitável e, principalmente, compreensível.

O grande trunfo do livro é mexer diretamente com as emoções do leitor, no sentido de ter passagens que, mesmo sendo fora da nossa realidade, trazem atitudes e sentimentos que são facilmente vivenciados em nosso cotidiano. Impossível não ler e se questionar sobre nossas próprias ações e se estamos dando atenção àquelas pessoas que nos são caras, mesmo quando estas se excedem em suas cobranças ou demonstram algum tipo de favoritismo. 

Não é uma leitura rápida, assim como não é o tempo todo uma história linear. Não tem grandes acontecimentos, além do desaparecimento, mas é instigante ver como seus filhos e marido são afetados. É muito mais uma leitura que convida a refletir do que a dar respostas.

Não me lembro de ter lido alguma vez um livro de autor sul coreano, embora seja uma amante da cultura oriental, então essa foi minha primeira experiência. Gostei bastante e pretendo ler mais livros da autora. 

Sobre o livro:
ISBN: 9788580571325
Autora: Kyung-Sook Shin
Editora: Intrínseca
Ano: 2011
Páginas: 240

2 comentários:

  1. Será que a mãe desse livro cumpriu a promessa que sempre escutamos das nossas mães?!?! Aquela que sempre fala que só daremos valor quando ela morrer, ou que qualquer dia irá embora e ninguém saberá pra onde ela foi?!?! kkkkkkk
    Brincadeiras a parte, confesso que esse tipo de trama não faz muito o meu estilo, mesmo nos trazendo reflexões bastante interessantes. Então, não será dessa vez que lerei algo de um autor sul coreano.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  2. Sara Silva Freitas18 de junho de 2015 18:12

    Nunca vi nada parecido com a temática desse livro, creio que porque sou mais centrada em literatura romântica e de suspense. Acho super bacana essa intenção da autora de promover fortes reflexões nos seus leitores, pois em qualquer época, principalmente com esse individualismo que predomina nas sociedades contemporâneas, a maioria das pessoas pensa somente em si mesma e esquece de olhar ao seu redor e dar valor e agradecer a quem faz tudo por elas. Confesso que eu mesma não dou o devido valor aos meus pais.... Gostei bastante da proposta do livro! Beijos.

    ResponderExcluir