terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Lemos na Fábrica: Janeiro 2020

Olá! As postagens do blog andam bem devagar, não é? Não estou num momento muito bom de leituras e outras coisas no geral, porém estou tentando normalizar isso. Embora seja um processo demorado. Vamos as leituras de Janeiro?

 
"Os prós e os contra de nunca esquecer", Val Emmich: Ter boa memória é uma boa coisa, mas lembrar de tudo que acontece, desde as falas até as roupas não me parece muito confortável, imagina para uma criança de 10 anos como Joan? Eu não sei se conseguiria lidar com isso, então minha admiração por Joan aumentou e ver sua amizade com Gavin crescendo, com certeza contou a favor. Gavin, aliás, é um personagem que me despertou muita empatia. Acho o processo de perda extremamente difícil e muitos dos seus pensamentos traduziam perfeitamente esse momento, tornando muito interessante acompanhar sua jornada. Resenha aqui


"Pétala", Olivia Pilar: Outro conto de Olivia Pilar que fala sobre o relacionamento entre duas jovens. Aqui as dúvidas sobre o próximo passo no relacionamento rodam Bruna, enquanto ela lembra seus encontros com Pétala e as grandes mudanças que sua presença trouxe. Como sempre, a narrativa da Olívia me deixa curiosa sobre quais seriam os caminhos que ela escolheria em um enredo mais longo. Espero ver em breve.


"Noragami #20", Adachitoka: Um volume mais calmo, porém com decisões importantes. O Kazuma se superou dessa vez e ainda não sei dizer se está correto tudo o que fez. Yato consegue ser muito objetivo e corajoso, além da determinação em encerrar o ciclo de maldade do pai. Yukine tem uma nova amiga e estou dividida entre adorar cada segundo dessa interação e ficar desconfiada de um possível plano para enganá-lo. O que me chamou a atenção foi o foco nos sentimentos dos personagens, especialmente Yato e Hiyori. Claro que dava para perceber, mas não esperava encontrar essa questão em específico agora.


"Gate 7 #04", CLAMP: Muita informação, muita história, mas não teve muito desenvolvimento sobre os personagens. O acontecimento mais empolgante para mim foi a irmã do Tachibana ter aparecido, e isso foi o que me deixou mais animada. De resto é só lamentar porque esse é o último volume lançado até então e não sabemos quando a CLAMP continuará...


"Platinum End #04", Takeshi Obata e Tsugumi Ohba: Depois de uma boa pausa, voltei a ler Platinum End e curti como foram abordados os sentimentos do Mirai e as contradições da Saki, que conseguiu me surpreender. Sabia que ela escondia alguma coisa, mas não imaginava que tivesse ligação com o Mirai. Fiquei curiosa sobre os próximos passos deles...


"Platinum End #05", Takeshi Obata e Tsugumi Ohba: A dupla de autores sabe criar personagens estranhos, não é? Cada um mais doido que o outro, porém não posso negar que os assuntos que os acompanham sejam muito interessantes. No caso, temos uma crítica ao culto da beleza exterior e ao desprezo das pessoas que não se encaixam no padrão da sociedade. Fiquei curiosa sobre o personagem, mas sua visão distorcida sobre Metropolitam vai recair sobre a família de uma pessoa que não merece passar por isso...


"Platinum End #06", Takeshi Obata e Tsugumi Ohba: Bem interessante, porém me animou infinitamente mais o começo e o fim do volume. O começo pela força de vontade da Saki em ajudar, mesmo não tendo as mesmas vantagens que os dois amigos. Já o Mirai está se mostrando muito mais inteligente e perspicaz do que todo mundo esperava. O crescimento desses dois personagens é um grande atrativo da série.



E as primeiras leituras de 2020, como foram?

Um comentário: