terça-feira, 14 de abril de 2020

HQ: Descender - Estrelas de Lata (Descender #01)

A parceria entre os conceituados Jeff Lemire e Dustin Nguyen, dois dos nomes mais célebres dos quadrinhos, resultou em uma graphic novel incomparável, uma odisseia cósmica eletrizante e soturna que trata de temas complexos, como intolerância, medo, política e a relação muitas vezes conflituosa entre humanos e tecnologia.
O primeiro volume, Descender: Estrelas de Lata, reúne os fascículos 1 a 6 da série e nos apresenta a uma realidade desconcertante: robôs gigantes conhecidos como Ceifadores invadiram a galáxia e destruíram planetas e civilizações inteiras, criando nos que restaram uma aversão às máquinas. Desde então, foram implementadas políticas de perseguição e extermínio de robôs. Essa caça implacável põe em risco a vida de Tim-21, um jovem androide de aparência humana que passou uma década num sono profundo, mas que pode conter em seu código vestígios dos assassinos do passado, o que faz dele o ser mais procurado do universo. Por isso, só resta a Tim-21 fugir. Ao lado dos amigos Bandit e Perfurador, ele percorre planetas e galáxias, desviando de inimagináveis perigos com um único objetivo: sobreviver.
Dos vencedores do Eisner Awards, este épico arrebatador e comovente, de cores intensas e vibrantes, narra a trajetória de humanos e máquinas, que ficam frente a frente em uma guerra que traz uma única certeza: não haverá vencedores. Uma história tão impactante que, antes mesmo de ser publicada nos Estados Unidos, teve os direitos de adaptação para o cinema adquiridos pela Sony Pictures.

O enredo me lembrou uma mistura de "Pluto", mangá do Naoki Urusawa baseado num arco do mangá Astro Boy do Osamu Tezuka, e "Exterminador do Futuro". Comparar com a obra do Tezuka e Urusawa é um grande elogio afinal a trama prende bastante a atenção e mostra outro lado dos avanços tecnológicos.

Como no mangá "Pluto", aqui temos uma realidade onde robôs de todos os tipos estão inclusos na vida social para complementar as necessidades dos seres vivos. Enquanto no mangá os robôs já tem vida própria e formam família, mesmo sob protestos, em "Descender" alguns são tratados de maneira rude e insensível, enquanto outros acabam tornando-se parte da família, como o Tim-21. Essa forma de lidar com a presença dos robôs é quase sempre o que guia enredos desse tipo, trazendo ao leitor diferentes perspectivas e abrindo debate sobre os sentimentos envolvidos. 

Pensando bem, também me lembra o dorama "Are you human too?" onde um robô é projetado para suprir a saudade que uma mãe sente do filho, e como o Nam Shin começa a agir por conta própria e a desenvolver "sentimentos". Quando li sobre o passado do Tim-21, imaginei o mesmo caminho, até porque ele já é projetado para desenvolver certa empatia e fica evidente sua preocupação com as pessoas com as quais se relaciona. Gosto desse aspecto, da fagulha de humanidade por ele apresentada, e que contrasta diretamente com os outros personagens.

Como sempre falo, ficção científica serve para nos fazer repensar nossas convicções e encará-las de uma nova ótica. Não quer dizer que a problemática seja diferente, apesar dos elementos novos, mas que a discussão não se esgotou e ainda é necessária. Os robôs são somente uma maneira de encarar problemas antigos. Da mesma forma que eles viraram motivo de desconfiança e medo após determinado acontecimento na HQ, raças e nacionalidades também são perseguidas na nossa realidade. O que falar sobre as reações aos asiáticos após o corona vírus? Em "Descender" os autores mostram justamente isso, como nossas ações sobre determinados seres/ pessoas/ raças são motivo para guerras e desespero, e como ao passar dos anos, isso segue se repetindo, sem grandes alterações e levando aos mesmos resultados trágicos.

Eu amei a arte. A coloração parece ser aquarelada, dá uma leveza enorme aos desenhos e os tons usados também reforçam essa ideia, embora o enredo passe longe dessa impressão. É uma oposição interessante, na qual, no lugar de se chocar, consegue se complementar. Gostei dos tons quase monocromáticos quando se contava algo sobre o passado, mesmo que esse recurso não acontece em todas as cenas onde nos são contados os eventos. A mudança de fonte quando determinados robôs falam me agradou, porém gostaria que alguns deles fossem maiores para uma melhor visualização.

Dito isso, só posso ficar animada para o próximo volume. Tim-21 é um personagem que me cativou bastante e quero saber o que o aguarda.

Sobre a HQ:
ISBN: 9788551005798
Volume: 01
Autores: Jeff Lemire e Dustin Nguyen
Editora: Intrínseca
Ano: 2019
Páginas: 144

Um comentário:

  1. Software is like sex: it’s better when it’s free. Hey, i am looking for an online sex partner ;) Click on my boobs if you are interested (. )( .)

    ResponderExcluir