quarta-feira, 29 de abril de 2020

Lemos na Fábrica: Março 2020

Março me rendeu muitas leituras, ainda bem! Janeiro e Fevereiro foram tão ruins que já estava desanimada com minha meta, porém voltei a ler! Não com a frequência que gostaria, mas já estou bem melhor. Vamos conferir?


"Um teto todo seu", Virginia Woof: O clube do livro sempre me lançando em novas aventuras e essa foi mais uma. Minha primeira vez lendo algo da Virginia e eu amei. Adorei como ela desenvolveu seu texto, dando exemplos para as situações que fazem as mulheres não ter o mesmo espaço que os homens, como as oportunidades não são as mesmas. Concordei com quase tudo do texto, menos com uma observação, que fez todo o sentido na época que foi escrita, mas que no momento se mostra incoerente. Lerei mais obras dela.



"A moradora de Wildfell Hall", Anne Bronte: Outra leitura para o clube do livro. Um retrato do papel da mulher numa época que separação era impensável. Passei muita raiva e queria que a protagonista percebesse o tipo de relacionamento horrível que levava, mas depois fui admirando-a e fiquei feliz com seu desfecho.


"Os reis da festa", Henri B. Neto: Um conto bem legal sobre dois rapazes que são bem diferentes, mas que despertam a atenção um dos outro numa festa. Gostei como cada um tem uma base de amigos que os ajuda, mesmo numa fase complicada da vida.



"A vida após legend (Legend #3,5)", Marie Lu: Li mês passado um conto da série Legend, da Marie Lu, onde sabemos um pouco sobre a vida do Day após o final da Champion. Na verdade é a versão do Day do epílogo, com o acréscimo de informações sobre sua vida após sua partida. Como fã de série, amei rever os personagens e sanar algumas dúvidas, em especial porque logo o livro quatro chega.


"Fiquei com um famoso", Thalita Rebouças: Um conto engraçado que me lembrou da adolescência e os crushes por caras de banda. Nunca passei pela experiência de ficar com algum deles, mas creio que seriam bem parecido com o conto.


"12 anos de escravidão", Solomon Northup: Uma leitura necessária, mas que não me atingiu como pensei que seria. Claro que é doloroso lidar com uma condição tão desumana quanto a escravidão e todas as formas de violência que vem com ela, mas creio que a forma de conduzir a narração acabe por tirar muito do peso que deveria ter. o autor se perdia em informações que não eram relevantes e muitas das páginas eram sobre o cultivo de algodão e cana de açúcar, por exemplo.


Oblivion Song - Canção do Silêncio (Oblivion Song #01), Robert Kirkman, Lorenzo De Felici, Annalisa Leoni: Uma das coisas que fazem ir atrás de enredos onde nossa realidade sofreu um grande golpe e tenta, de alguma forma, se reerguer, é como isso impacta na vidas das pessoas. Mais do que uma ficão científica, Oblivion Song fala dos percalços de pessoas que passaram por situações extremas, perderam entes queridos e ainda estão em processo de cura.



"Oblivion Song - Entre dois mundos  (Oblivion Song #02)", Robert Kirkman, Lorenzo De Felici, Annalisa Leoni: Nathan e Ed não se entendem quando o assunto é o ponto de vista e escolhas de cada um, e esse embate é um dos pontos mais interessantes do segundo volume de Oblivion Song. A falta de entendimento e de verdadeiramente escutar o outro tem consequências trágicas e nos faz pensar sobre o quanto achamos que somente nós sabemos o que é certo.


"Furi Fura - Amores e desenganos #05", Io Sakisaka: Uma das coisas que sempre me impressionam é a maneira que a Akari corre atrás do que quer. Uma personagem forte, que entende o que sente e faz algo sobre isso. O Kazu que o diga. A Yuna, por sua vez, amadurece claramente e diminuiu bastante sua timidez e essa mudança está chamando a atenção do Rio e de outras pessoas. É engraçado que ele comece a se sentir diferente depois de tudo que rolou entre ele e a Yuna...


"Card Captor Sakura - Clean card arc #01", CLAMP: Card Captor Sakura está de volta! E começou exatamente onde terminou a primeira série! Reencontramos nossos muito amados personagens em Clear Card Arc e eu gostei demais! Posso ter passado da idade de ficar boba com várias cenas, mas ainda sim consigo ver a delicadeza do enredo e como é cativante acompanhar Sakura nessa nova aventura. E começou bem misteriosa, por sinal. Não são passagens muito aprofundadas porém conseguem entregar emoção. Vamos ver o que o CLAMP reservou.



"Card Captor Sakura - Clean card arc #02", CLAMP: Coisas estranhas continuam acontecendo com Sakura e o Shoran parece ainda mais preocupado e misterioso. Não vou mentir: adoro as interações dos dois. Quem também anda misterioso é o Touya, algo que ele perdeu na série anterior parece estar voltando e acho isso muito bom. Sempre gostei de como ele protegia a Sakura ao mesmo tempo que a deixava tomar as próprias decisões. Agora estou de olho nessa aluna novata, sinto que tem algo por trás dessa nova personagem.



"Card Captor Sakura - Clean card arc #03", CLAMP: A Sakura está cada vez mais amiga da nova aluna e eu fico mais desconfiada também. Não sei se o objetivo é o mesmo do Erion na primeira série, porém é um método muito parecido. Adorei os momentos entre Shoran e Sakura, são muito fofos juntos. Mas ainda quero que o Shoran seja mais claro sobre suas suspeitas, vou aguardar ansiosa suas explicações.


"Card Captor Sakura - Clean card arc #04", CLAMP: E vamos de mistério. Agora sabemos mais um pouco sobre quem está causando problemas para a Sakura, porém ainda sem descobrir o que realmente ele quer. Enquanto isso a Sakura se aproxima cada vez mais da aluna novata e as duas tem muitas coisas parecidas.


"Game - Jogo Proibido #04", Mai Nishikata: Um volume de relevação, principalmente para nossa protagonista. Ela admite para si mesma o que sente por Kiriyama e toma uma difícil decisão. Apesar de não estar tão empolgada com algumas decisões da managká, ainda fiquei orgulhosa da sinceridade da Sayo.

E vocês? O que leram em Março?

Um comentário: