sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Lemos na Fábrica: Agosto 2019

Agosto poderia ter sido melhor na quantidade de leituras, mas ele foi ótimo na qualidade. Vamos conferir?

"O labirinto do Fauno", Guillermo del Toro e Cornelia Funke: Não me lembrava basicamente de nada do filme, mas foi uma grande vantagem começar a leitura dessa forma. Pude me emocionar, torcer e passar raiva livremente. Assim como pude ter esperança. Resenha aqui.



"Sempre foi você", Deborah Strougo: Estava ansiosa para ler o novo livro da Deborah e me diverti com Vitor e Isabela, porém não tanto quanto achei que me divertiria. Ainda sim foi uma boa leitura e pude rever o Theo e a Alice de "Inesperadamente você".


"Happy Again 1.5 (This is what happy looks like)", Jennifer E. Smith: Fui gastar meu inglês horrível em Happy Again e matei a saudade de Graham e Ellie. Quem leu "Ser feliz é assim" sabe que o final é aberto, e ver um pouco deles depois de ter acompanhado o quanto um modificou o outro foi realmente muito satisfatório.



"Furi Fura #02", Io Sakisaka: O que eu mais gosto nos enredos da Io Sakisaka é a leveza, ainda que alguns assuntos um pouco mais complicados se façam presentes. Sabemos um pouco mais dos sentimentos do Rio e como a Yuna pode ser corajosa. Também entendemos mais sobre a personalidade da Akari e como ela e Rio tem uma situação estranha em sua própria casa. São essas pitadas de imperfeição que sempre me conquistam nas séries da mangaká.


"Ataque dos titãs #23", Hajime Isayama: Confesso que fiquei meio perdida quando retomei minha leitura de Ataque dos titãs, mas aos poucos volto a enteder a trama. Esse volume nos apresenta personagens novos, ao mesmo tempo que conhecemos mais do passado do Reiner, o que ajudou a diminuir um pouco da raivinha que passei com ele. Vamos ver se esse sentimento vai se sustentar nos próximos volumes.


"Noragami #18", Adachitoka: O Yato sempre surpreendendo. Incrível como ele é obstinado e dessa vez imagino que o preço por sua determinação vai ser alto. O Kazuma também tem grandes objetivos, mesmo que eles não se refiram a si próprio. Confesso que fiquei bem triste por ele. E também pelo sacrifício que os amigos do Yato precisam fazer... E coitado do Yukine!


"O marido do meu irmão #02", Gengoroh Tagame: Um respiro no meio de tanta intolerância. Me emocionei do início ao fim com cada preconceito que o Mike conseguia derrubar e como foi a aceitação da Kana e, especialmente, do Yaichi. Os dois volumes do mangá tratam muito bem da questão do conhecimento e aceitação, mostrando como o amor em toda sua forma é bonito.


"Game - O jogo Proibido #01", Mai Nishikata: Algumas coisas me chamaram a atenção: Sayo, a protagonista, é uma viciada em trabalho e é muito boa no que faz, o que não parece ser suficiente para seus colegas de trabalho. Eles, sempre que podem, falam sobre como ela não parece ser uma mulher, tanto pela forma de vestir, quando de agir na vida profissional. É um aspecto da sociedade japonesa que achei bem interessante ver no mangá porque sempre leio o quanto o ambiente profissional exige das mulheres no Japão e como determinadas ações são somente esperadas por partes dos homens. Outro ponto é que a Sayo é sexualmente muito bem resolvida e trata o sexo como uma parte normal da vida, sem ter grandes anseios sobre isso. Fiquei curiosa sobre como as interações entre ela e Kuriyama vão modificar seu dia a dia.


"Una esposa en el tiempo", Mami Ishikawa: Li esse mangá shoujo em espanhol e gostei bastante pois se trata de viagem no tempo, perseguição a um assassino e de romance. Acho que tudo foi bem resolvido num único volume e ainda treinei meu espanhol.

E vocês, leram muito em Agosto?

Um comentário: