quinta-feira, 28 de maio de 2020

Lemos na Fábrica: Abril 2020

Estou tão orgulhosa de mim! Claro que ainda passa longe de alguns dos meus melhores meses, mas para quem teve os dois primeiros meses parados como eu, melhorou bastante né? Então vamos lá!


Daqui pra baixo, Jason Reynolds: Jason Reynolds já tinha minha admiração após “Fantasma” , mas o que sentir ao término de “Daqui pra baixo”? Admiração é o mínimo, porque a carga dramática passada pelos versos e pela partes divididas em andares deste livro é enorme. E tão real, infelizmente. O autor consegue emocionar com a história de Will de uma maneira que não estava preparada para sentir. Resenha aqui.



Os pergaminhos vermelhos da magia (As maldições ancestrais - livro 01), Cassandra Clare e Wesley Chu: Quem acompanha a Cassandra Clare e seus livros dificilmente não gosta de Magnus e Alec. Em “Os pergaminhos vermelhos da magia” vemos o relacionamento dos dois com mais detalhes durante as férias dos dois juntos, mas claro que nada seria tão calmo como eles gostariam, não é? O que esperar de um feiticeiro que adora festas e um caçador de sombras que prevê atrair problema? Só sei que adorei ler sobre eles, agora como protagonistas absolutos. Resenha aqui.



"Interferências", Connie Willis: O excesso de comunicação e as formas de se comunicar são alguns dos assuntos de “Interferências”, da Connie Willis. O livro começou um tanto enrolado, porém depois de determinado ponto não consegui parar. A autora sabe bem instigar a curiosidade e também consegue desenvolver personagens que gostamos de acompanhar, como o C.B.. Além de divertido, o livro também faz uma crítica necessária a como nos comunicamos e o que perdemos ao banalizar as interações nos nossos relacionamentos. Resenha aqui.


"The risk - O dilema de Brenna e Jake (Briar U - Livro 02)", Elle Kennedy: O relacionamento de Brenna e Jake não é muito amigável no começo, mas logo os dois conseguiram se entender e respeitar, além da óbvia admiração pela determinação um do outro. A Elle Kennedy sempre apresenta protagonistas com objetivos reais e com problemas comuns, e isso sempre me ganha, me fazendo voltar a cada livro novo. Resenha aqui.


"O livro dos ressignificados", Akapoeta: Nessa quarentena estou tentando me concentrar em ler mais e tentar não surtar com as notícias. Aproveitando os e-books grátis que estão sendo disponibilizados pela editoras/autores, li O livro dos ressignificados e adorei a forma que o autor retrata o sentimento que cada palavra tem para ele. Uma das partes mais legais foi a descrição dos signos. Me senti quase totalmente contemplada.


"Coração-granada", Akapoeta: Outro livro do Akapoeta que leio nessa quarentena e continuo gostando da forma que ele se expressa. Gosto como o livro passa as emoções e de como fico calma durante a leitura.

"Conversaiones con un extraño", Erika Fiorucci: Mais que treinar meu espanhol, fui animada por ter um enredo baseado na quarentena e que demonstra como ela deveria funcionar, além de nos dar um romance fofo e bem escrito.


"Vem cá, deitar comigo no chão", Erick Saraiva: Poemas que gostei em sua maioria, embora não tenha me empolgado muito.

"Sentimento do mundo", Carlos Drummond de Andrade: Nem tem muito o que se dizer, não é? Mestre da escrita, sempre profundo. O que mais me deixou pasma é que as explicações sobre sua poesia enfatizam momentos mais negativos do que se pensa na primeira leitura.


"Amor de janela" (Clichês em rosa, roxo e azul - Livro 4), Maria Freitas: Uma grata surpresa! Adorei o enredo e como a relação de amizade e provável amor entre os protonistas vai se desenrolando. No começo a boba aqui não percebeu que era um romance LGBTQI, porém fiquei feliz com a descoberta.Também se passa na quarentena e aproveita para tocar em assuntos importantes como escolha de profissão e sexualidade. Vou procurar os outros livros


"Amoras", Emicida e Aldo Fabrini: Lindo, fofo e representativo. Lerei para meu sobrinho, com certeza!

"Vizinho, vizinha", Graça Lima, Mariana Massarani e Roger Mello: Achei muito divertido e adorei o traço.


Descender - Estrelas de lata (Descender #01): Descender é o tipo de quadrinho que curto acompanhar porque mistura assuntos que estão sempre em evidência, mesmo que de formas diversas. A maneira que os robôs são tratados após um grande acontecimento lembra muito as pessoas que passaram por grandes guerras, por exemplo. O preconceito por sua origem e existência está sempre presente, neste caso temos a adição da tecnologia para nos fazer refletir sobre essas ações e culpas.


"Bleach #01", Tite Kubo: Acompanho mangás faz bastante tempo, mas só agora li um volume completo de Bleach. Por mais que saiba várias coisas que acontecem no desenrolar do enredo, achei muito interessante e gostei de ver três dos principais personagens já mostrando que tem muito para crescer. Não sei se vou continuar, mas foi bem legal esse primeiro volume.


"Tokyo Ghoul #01": Li também Tokyo Ghoul por esses dias e, ao contraste Beach, eu não sabia nada sobre o enredo. Foi um pouco mais pesado do que pensei que seria, mas bem interessante. Alguns assuntos tratados podem render boas reflexões, talvez continue a leitura para ver se esses pontos são desenvolvidos.

"O filho secreto do Conde", Hibiki Sakuraya e JennieLucas: O traço é bonito, mas o enredo parece não se adequar ao formato mangá porque não consegue desenvolver personagens e cenas. Acaba deixando tudo muito vago e, acredito, mas fraco que o livro.


Quais foram as leituras de vocês em Abril?

Um comentário: